Compare preços, venda e troque games em Raduken.

Robôs matadores anunciam a guerra do futuro


























Está mais para Humanos criando robôs para matarem mais humanos.


Os robôs guerreiros já entraram em ação no Iraque, e o exército dos Estados Unidos planeja substituir um terço de seus veículos blindados e armas por robôs, até 2015. Essas máquinas de matar podem um dia vir equipadas de consciência artificial - o que poderia até dotá-las da capacidade necessária a desobedecer ordens imorais.
Os mais recentes recrutas do exército norte-americano têm um metro de altura, ostentam camuflagem em tons de deserto e vêm equipados com metralhadoras M240. Movimentam-se sobre lagartas e - graças a cinco câmeras - podem ver até mesmo no escuro.

Esses combatentes que não conhecem o medo foram colocados em ação no Iraque, na metade de junho, sem que o grande público dedicasse muita atenção à novidade. Trata-se de três soldados robotizados cuja tarefa é perseguir insurgentes. Como se orientados por uma mão invisível, eles avançam na direção de seus alvos e disparam suas metralhadoras contra eles. Trata-se do futuro da guerra - e já está presente.

"Estamos falando do primeiro robô equipado com armas na história na guerra", diz Charles
Dean, engenheiro da Foster-Miller, a empresa que fabrica os novos aparelhos, em Waltham, Massachusetts. Dean e os demais 70 funcionários de seu departamento estão ansiosos por saber como suas três criaturas estão se saindo na frente de batalha. Porque os três robôs, apelidados Swords (espadas), foram destacados para uma missão secreta, os criadores das máquinas não sabem se foram usados para matar combatentes inimigos no campo de batalha.

Ao que parece, é apenas questão de tempo antes que os três robôs de combate recebam reforços. As forças armadas norte-americanas estão no momento testando o
Gladiator, um veículo de combate não tripulado desenvolvido pelos engenheiros do Instituto de Robótica da Universidade Carnegie Mellon, em Pittsburgh, Pensilvânia. O Gladiator pesa mais de uma tonelada e está equipado de pneus de borracha que permitem que galgue encostas com até 60 graus de inclinação. As forças armadas norte-americanas já estão instalando câmeras de mira e uma metralhadora M240 no protótipo.

"Já fizemos muitos disparos com a metralhadora", disse o coronel
Terry Griffin, comandante do programa conjunto de robôs de combate do exército e do corpo de fuzileiros navais norte-americanos. Caso os novos testes confirmem o sucesso, uma versão de quatro rodas do Gladiator pode ser enviada ao Iraque no ano que vem - presumindo que ainda existam soldados norte-americanos no país.

De acordo com
Griffin, o robô de combate tem a capacidade de dispersar grupos de indesejáveis. Há três estágios diferentes de uso possível de força: primeiro, a máquina faz um aviso por meio de alto-falantes; em seguida, dispara balas de borracha; por fim, começa a usar a metralhadora.

Mais de 50 anos depois que o escritor Isaac
Asimov argumentou, em seu clássico romance de ficção científica Eu, Robô, que jamais deveria ser permitido que um robô ferisse seres humanos, o desenvolvimento de máquinas de matar se tornou inevitável. O Swords e o Gladiator servem como arautos de uma nova forma de guerra, na qual a tarefa de matar será cada vez mais atribuída a máquinas.

O exército dos Estados Unidos está desenvolvendo diversos modelos de robôs de combate. De acordo com um memorando interno do exército, "máquinas armadas estão encontrando lugar no campo de batalha moderno e serão presença generalizada nos campos de batalha futuros". O orçamento do Pentágono já inclui até
US$ 200 bilhões para o desenvolvimento de um programa de modernização conhecido como "Sistema de Combate Futuro", sob o qual robôs substituirão um terço dos veículos blindados e das armas do exército norte-americano até 2015.

As formas automatizadas de guerra também estão exercendo influência em Israel, cujas forças armadas empregam robôs na fronteira de 60
quilômetros de extensão entre o país e a Faixa de Gaza. O sistema See-Shoot desenvolvido pela Rafael, uma fábrica de armas israelense, é estacionário e envolve metralhadoras e câmeras, com alcance de até 1,5 mil metros.

Do ponto de vista militar, existem muitos motivos para promover o uso crescente dos soldados de aço. Para começar, eles não sentem medo ou fadiga. Os robôs matam sem hesitar e, diferentemente dos soldados humanos, sua perda é apenas financeira. Um novo
Swords custa cerca de US$ 150 mil. Além disso, os políticos e os generais não precisariam mais se preocupar com protestos públicos em caso de baixas excessivas. Quem lamentará um soldado metálico destruído?

No entanto, o controle desses soldados mecânicos cabe estritamente a operadores humanos. Vai demorar algum tempo para que os matadores de forma
humanóide retratados em filme como Robocop e O Exterminador do Futuro estejam disponíveis para atacar seres humanos. "Mas não existem barreiras científicas ao desenvolvimento de robôs de combate autônomos", diz Ronald Arkin, do Instituto de Tecnologia da Geórgia, em Atlanta. "As partes desse todo estão sendo desenvolvidas nesse exato momento".

Em seu escritório no instituto,
Arkin, um homem grisalho e de aparência simpática, investiga maneiras de impedir que os cenários sombrios propostos nos filmes de ficção científica se tornem realidade. No momento, ele vem realizando uma pesquisa via Internet para determinar como oficiais das forças armadas, políticos, pesquisadores de robótica e pessoas comuns se sentem sobre máquinas autônomas dotadas da capacidade de matar.

Quais seriam as regras éticas que elas seguiriam quando enviadas à guerra, por exemplo? Para ajudar a enfrentar essa questão,
Arkin está desenvolvendo um software que poderia ser usado para programar essas regras na memória das máquinas, de forma a dotar os soldados de aço de uma forma de "consciência".






Depois vem dizendo que o objetivo da guerra é a paz.
Se for mesmo a paz... nunca teremos ela.

Nundakureah de ódio para eles.

1 Comentário:

Vencys_lao comentou em  17 de setembro de 2008 14:34  

Nussa cara! Pode crer!

Aê vemos a titica que é a ONU!
e vemos que 200 bilhões pra guerra é mais lucrativo que 200 bilhões pra matar fome na africa!

como diz o velho sábio, O Senhor da guerra nun gosta de criança

Divulgue

Seguidores

  ©Template por Dicas Blogger.

SUBIR